«And some people say that it's just rock 'n' roll. Oh but it gets you right down to your soul» NICK CAVE

sábado, setembro 07, 2013

Não há altruísmo que não tenha um egoísmo

Cristiano Ronaldo ajuda criança com cancro adepta do Real Madrid, pagando os tratamentos com o seu empresário

Não há altruísmo puro, isto é, altruísmo que não tenha algum egoísmo ou interesse individual. Uma afirmação contraditória apenas à superfície. Na realidade, não há dar desinteressado, por mais desinteressado que pareça e seja expresso. Há sempre um retorno qualquer, por mais insignificante que seja.

Não estou sequer a me referir às ações de beneficiência de um Cristiano Ronaldo, em que a dádiva se torna notícia em todo o lado e pode assumir-se como ação de marketing. Quem dá sem certo tipo de interesse, geralmente não publicita.

Mas, não é por não publicitar que significa ser um acto desinteressado. Nem que seja para ganhar um cantinho no Céu ou, simplesmente, sentir-se bem consigo próprio e realizado ajudando os outros. É uma forma mais pura de altruísmo, mas tem uma pitada de egoísmo algures. Dar pode ter um efeito, no cérebro e na alma, semelhante ao da cocaína.

Não há, pois, altruísmo puro. Há formas com menor grau de interesse pessoal (egoísta e individual), mas não em estado puro. Há sempre algo por detrás. Nem que seja a ambição de ser chefe de uma associação de solidariedade social para negociar apoios ou ter um telemóvel de borla.

Faço uma ressalva para não ser treslido. É melhor ser generoso, motivado pelo sentir-se bem e realizado por isso, do que não ser. Muito menos ser alguém que prejudique os outros. Mas não quer dizer que quem dá está purificado quanto ao egoísmo e individualismo. A sobrevivência faz parte da condição humana. Nunca de deixa de pensar no que é melhor para nós, mesmo que ao nível do inconsciente.

Quer-se apenas dizer que o altruísmo e a beneficiência também visam um benefício próprio, mais natural ou menos natural, mais aceitável ou menos aceitável, mais explícito ou menos explícito. O dar (altruísmo) implica receber (egoísmo, interesse individual). Seja esse benefício material ou não, em maior ou menor quantidade. Não é só o que é material e visível que é benefício ou recompensa.

Na recente peça radiofónica Darkside, de Sir Tom Stoppard, uma personsagem diz o seguinte: "altruism is selfishness in disguise, genetically programed for long term benefits" (altruísmo é egoísmo disfarçado, geneticamente programado para obter benefícios a longo prazo.)

E remata: "there's no such thing as altruism. Natures teaches self interest" (não há tal coisa chamada altruísmo. A natureza ensina-nos o interesse pessoal). E nisto surge o tema "Money" dos Pink Floyd.

É assim a natureza e a condição humanas. Não quer dizer que o altruísmo e a generosidade sejam contra a natureza, mas o egoísmo também faz parte dessa natureza e do próprio altruísmo. Altruísmo e interesse pessoal são lados da mesma moeda. Varia as doses de cada um deles em cada pessoa.

E após o tema "Money", uma outra personsagem diz o seguinte: "if kindness is only selfishness in disguise (...), the question "what is the good?" wouldn't be about anything except what is best for you" (se altruísmo e generosidade são apenas egoísmo disfarçado, a pergunta "o que é o bem?" resumir-se-ia àquilo que é melhor para ti.)

Por isso, hesite quando pensar que não é egoísta e sorrie quando outros, supostamente não-egoístas e não-individualistas, o acusem de ser egoísta ou individualista.
---
A propósito:
Altruísmo ou egoísmo?
(texto conhecido depois de escrito este post)
 ---
photo origin

Sem comentários:

Enviar um comentário